Homem é preso em Goianésia suspeito de matar quatro pessoas a mando de facção criminosa e receber mais de R$ 6 mil pelo crime

Homem é preso em Goianésia suspeito de matar quatro pessoas a mando de facção criminosa e receber mais de R$ 6 mil pelo crime

- emGoianésia, Goiás, Pelo Brasil, Polícia
(Foto: divulgação / Polícia Militar)

 

 

Um homem de 23 anos foi preso na noite dessa terça-feira (13), em Goianésia, suspeito de assassinar quatro pessoas na cidade de Várzea Grande, no Mato Grosso. O crime teria ocorrido no dia 03 de outubro de 2018.

Segundo a Polícia Militar, Paulo Martins Nunes foi detido pelo sargento Caetano e soldado Azevedo, na Rua 17, esquina com a Rua 12, no Setor Universitário, por volta das 20:34. O próprio homem acionou o Centro de Operações da Polícia Militar (COPOM) e confessou o crime.

Aos policiais Paulo Nunes relatou que recebeu R$ 6.500, juntamente com mais três comparsas, para matar quatro pessoas rivais de uma facção, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. Conforme a polícia, Paulo passou por outras cidades desde o crime e chegou até Goianésia recentemente, onde possui duas passagens pelos crimes de furto e roubo, cometidos no ano de 2016. Ele saiu para responder em liberdade e nunca mais compareceu às audiências, alegando que a Justiça o havia soltado “porque quis”.

Após o crime ter sido confirmado pela polícia de Várzea Grande, Paulo foi levado para a Delegacia de Polícia de Goianésia e ficou à disposição da Justiça.

Os crimes

Paulo Nunes é investigado pela polícia de Várzea Grande por ter cometido, juntamente com três comparsas, quatro homicídios no dia 03 de outubro. Ele teria participado da execução de dois homens e duas adolescentes, uma de 13 e outra de 17 anos.

Segundo a polícia, as investigações mostram que as mortes foram encomendadas e que a ordem para as execuções saiu de dentro da penitenciara central de Mato Grosso, dada por uma facção criminosa. O motivo seria uma rixa (briga) entre duas fações criminosas.

As adolescentes, que seriam namoradas dos executados, foram sequestradas e mantidas em cárcere privado por algumas horas, antes de serem mortas a tiros e terem seus corpos jogados em um rio. Elas ainda foram obrigadas a dizer onde era o esconderijo de seus namorados.

Posteriormente o esconderijo foi invadido pelos suspeitos, que estavam armados com duas pistolas. Eles atiraram em quatro homens que estavam dormindo na residência. Dois morreram morreram no local e dois foram socorridos pelo SAMU, conduzidos ao hospital e depois liberados. Um dos suspeitos de envolvimento nas execuções foi preso no dia seguinte ao crime, com várias armas de fogo e dinamite.

 

Comentários

Destaque

Foragido da Justiça de Ceres, suspeito de homicídio, é preso em Goianésia

    A Polícia Militar de Goianésia prendeu